8 de mar de 2013

Reflexão sobre morte e respeito



Este é um tipo de post que nunca pensei que precisaria fazer, não que vá aparentemente mudar muita coisa, mas talvez eu consiga entrar na mente de algumas pessoas e faze-las pensar. Sobre o que é Respeito
Desde que entrei no ensino médio, meus professores fazem questionamentos que às vezes chegam a me perturbar e incomodar, e percebo no que nós brasileiros nos tornamos. Não estou aqui para falar mal de hábitos mesquinhos e culturas supérfluas  que temos, até porque esse é um fato universal, mas discutir ações e argumentos nojentos que nos perseguem e fingimos não expressar qualquer revolta ou aflição por ter vindo de um ser humano.
Essa semana recebemos a notícia da morte do Chorão. Nunca foi fã declarada do Charlie Brown Jr., mas sempre respeitei e admirei as rimas poéticas, compostas e cantadas pela banda. E esse foi o carro chefe para a minha revolta e iniciativa para escrever esse texto. 
A poucos segundos, estava assistindo a um vídeo encontrado pela polícia onde Chorão fala sobre a morte do pai e homenageia uma fã. Entretanto, não é o vídeo o principal elemento dessa conversa, mas sim os comentários.
Que tipo ser humano comenta em um site aberto, mais especificamente em um vídeo emocionante de um homem que não pode ter tocado o seu coração mas o de uma geração inteira, as seguintes frases: "Ele acha mesmo que vai encontrar o pai."; "haha ri litros"; "Ele acha mesmo que vai para o paraíso, como se esse porra existisse" e "Pau no cu dele caralho". 
A morte de qualquer ser é triste, nós afeta mesmo sendo de um parente próximo ou não, porque um dia ela vai nos alcançar. Nunca senti pena de ninguém, um sentimento tão repugnante quanto o ódio não devia ser sentido, mas vendo essa falta de respeito com os fãs e com a vida de um outro, não vejo outra palavra para descrever o que sinto por esse ser.
Não só apenas a morte do Chorão, a muitos outros que foram xingados no twitter, esculhambados nos comentários do youtube e zuados nos facebook. Temos essas "armas" para nos favorecer, expressar, para tentar fazer algo de bom. Onde estão aqueles que protestaram contra o governo Collor? E aqueles discriminados por raça e sexualidade, que lutaram pelo respeito com o cidadão brasileiro igual?Em vão.
Não é uma situação tão diferente. A causa é menos aparente, tão impregnada no cotidiano que nem prestamos atenção ao quanto que é ofensivo a nós. Palavras gastas à toa e pra que? 
Seres humanos são bichos estranhos e que agora me parece em retrocesso. Gosta de ser respeitado, mas não respeita de volta. Egoísmo numa hora em que os outros mas precisam só as fere, machuca e lhe atinge também. Porque todos fazemos parte de uma comunidade heterogenia  cada um com suas particularidades e todos buscando serem respeitados por quem são, inclusive você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário